“Na captação de uma realidade excessiva, violenta, mas igualmente plácida e genuína, a autenticidade da obra fotográfica de Davidson mantém-se actual”

Transcendente Bruce Davidson

Discutir o progresso da fotografia é evocar, inevitavelmente, Nova Iorque. Para compreender as raízes desta cidade, a leitura do trabalho de Bruce Davidson é obrigatória. Concebido a partir de uma perspectiva humanista extraordinária, a obra deste fotógrafo norte-americano é um compêndio real sobre a evolução social dos EUA no século XX.

Davidson fez-se cumprir através do compromisso antagónico entre a sublimação e a vulnerabilidade do ser humano. No início da década de 60, o fotógrafo – que trabalhou como freelancer para a revista LIFE e em 1958 tornou-se membro da Magnum – dedicou-se à captação dos momentos mais distintos da luta pelos direitos civis no seu país. Com uma visão fugaz, o fotógrafo aproxima-se dessa energia que então vigorava para testemunhar a volatilidade de um país em frenética mudança, do qual também fazia parte.

Na justificação elementar de que a fotografia serve uma única intenção, ou seja, desvendar a verdade, o fotógrafo agia por intuição, entregando-se inteiramente ao contexto diante de si. Assim, numa observação que se manifesta desapegada, intima e profundamente profissional, a perspectiva de Davidson transcende os próprios interesses das personagens e opera, particularmente, na obscuridade.

Cedo, os lugares menos aprazíveis são os cenários mais pitorescos. De Coney Island ao Bronx Zoo, Davidson integra-se no habitat natural dos sujeitos para revelar os extremos da diferença real entre os vários grupos, na maioria segregados.

Na sua qualidade emocional, as histórias tornam-se audíveis. Entre as trepidações de uma vida acelerada, os retratos são acompanhados por uma linguagem visual lírica, permitindo que o observador – na ausência de palavras ditas ou escritas – escute o que contempla. No fundo, esta conexão expressa-se, especialmente, na opção pelo preto e branco – presente na maioria das suas séries – o que lhe confere uma dimensão implacável, mas honesta sobre os assuntos cruéis da cidade.

Na captação de uma realidade excessiva, violenta, mas igualmente plácida e genuína, a autenticidade da obra fotográfica de Davidson mantém-se actual. Epítome da cultura underground norte-americana, o seu arquivo emerge-se no significado mais alto da mudança social da contemporaneidade, trabalho documental exemplar para a compreensão da luta pela liberdade, igualdade e dignidade humana.

Circus (1958), Brooklyn Gang (1959), East 100th Street (1966-1968), The Civil Rights Movement (1961-1965), Subway (1980) and Central Park (1992-1995), assim como os seus trabalhos mais recentes, as séries de paisagens urbanas tiradas em Paris (2007) e em Los Angeles (2009), estão presentes na Fundação Mapfre, Madrid, até ao dia 15 de Janeiro de 2017.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

clear formPost comment